sexta-feira, 4 de novembro de 2011

30 anos daqui e dali

Este ano minha turma de faculdade, Fonoaudiologia da UNIFESP, comemora 30 anos de formatura.
Sou da "Turma Jurassic" da Fonoaudiologia (1981), que teve que rebolar bastante para seguir em frente e adquirir conhecimentos, pois a produção científica daquela época no Brasil era pouca. Hoje, somos referencia e nos orgulhamos de nossas fonoaudiólogas famosas- Dra Mara Behlau, Dra Silvia Pinho, Dra Irene Marchesan, Dra Zelita Guedes- só para citar algumas e não querendo desmerecer outras magníficas mestras.
Minha classe era pequena, não como as turmas de cento e poucas alunas que chegamos a ver recentemente, mas vinte e cinco entraram e trinta e cinco se formaram, pois abraçamos "as meninas" de outras turmas.
Estas que aqui estão são algumas das que ficaram em SP e que conseguiram se reunir num almoço muito gostoso, aproveitando o clima do Congresso de Fonoaudiologia.
Um detalhe interessante é que logo após formada, prestei concurso e ingressei para as fileiras da FAB, fazendo parte do Quadro Feminino de Oficiais da Aeronáutica(QFO), em 1982, sendo a primeira turma de oficiais a   ser incorporada à Força (desculpe o trocadilho, mas não fomos à força, mas voluntárias...).
Hoje já estou aposentada, depois de servir nos hospitais do Galeão e de Aeronáutica de São Paulo, como fonoaudióloga militar.
No ano que vem, essa minha turma QFO irá completar também seus 30 anos de incorporação e pretendemos reunir um grande grupo para comemorar o momento histórico.
Fizemos parte da História, pois fomos as primeiras oficiais efetivadas, que abriram caminho para as mulheres nas outras áreas, ainda que modestamente, mas já surgindo aos poucos as aviadoras militares e as intendentes.
Entramos para o meio militar ainda muito jovens, inexperientes, mas com muita vontade de lutar.
Hoje já somos cinquentonas e quase todas aposentadas (na reserva, como dizemos), mas todas bem, continuando a trabalhar em outras áreas ou se dedicando a outras causas.
E ouso dizer que a reserva faz muito bem à mulher militar, pois todas ficam com saúde, lúcidas, resolvidas.
Existe na FAB dois grupos masculinos da reserva: a Turma do Bagaço e a Turma da Sucata. Uma vez, um oficial muito velhinho me perguntou, muito ingenuamente, se eu agora que estava aposentada iria entrar para a "sucata". Eu me segurei para não rir e respondi, com todo o respeito, que mulher nenhuma quando se aposenta vira "sucata" ou "bagaço", muito pelo contrário, remoçamos!! A mulher é muito cobrada no meio militar, muito machista, tendo que trabalhar três vezes mais para parecer aos olhos masculinos que está no mesmo nível...e olhe lá!!!Além de suas atribuições como militar, também tem como profissional. Depois do expediente, cuida de sua casa e filhos/marido/parentes, estuda, e ainda acha tempo para ser mulher. E quando voltamos a ser "mulher mulher" nos damos conta de que precisamos manter nossa identidade. Não vestimos a farda como algo que, quando tirada, nos deixa sem rumo. Sabemos separar o "ser" do "estar".O posto não é o nome, faz parte de um momento, mas a vida é cheia de grandes momentos também, mesmo depois da FAB.
Por isso, quero curtir os 30 anos, daqui e dali, com a sensação do que vivi e do que estou vivendo.
E continuar a contar estas histórias pra quem quiser ouvir.

3 comentários:

Duh Franzen disse...

Oi Cybele
Amei conhecer um pouquinho mais sobre você,a carreira linda que você abraçou...Parabéns amiga!
Eu já era tua fã, agora sou muito mais do que antes.

Um sábado de paz e luz para você e sua família linda!!
Bjinhos

Renata disse...

Que bacana, nao conhecia essa sua história!!!

Falando em aeronáutica, sabe que outro dia vivi um fato curioso e que me deixou muito orgulhosa de ser mulher: entrei num avião gigante da AirFrance, Jumbo sei lá o quê...e quando nos preparativos para decolagem uma voz muito tênue de mullher começou a dizer alguma coisa em francês não liguei, pois achei que fosse uma das comissárias dando as boas vindas e etc...mas quando eu realmente apurei meus ouvidos e comecei a compreender, era a comandante daquele bicho colossau que falava conosco!Puxa como me senti feliz e realizada, além de totalmente segura por estar sob cuidados e atenção de uma mulher!

Parabéns pelas suas realizações!
Abraço,
Renata

Cybele Belschansky disse...

Nossa, gente! Obrigada pelo carinho!
Duh, eu adoro suas postagens!
Re, adoro viajar com você no blog!
Tenho a comentar que tive a honra de realizar exame audiométrico há alguns anos atrás na Comandante Luci Lupia, primeira mulher a conseguir o brevê de piloto comercial de Primeira Classe, depois dela ter enfrentado vários desafios, principalmente a intolerância masculina. Pessoa admirável.
Bjs!

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página