quinta-feira, 6 de junho de 2013

Todos nós precisamos de um abraço sincero.

Eu tenho encontrado cada vez menos explicação para a solidão que nos assola, principalmente a nós mulheres.
Por mais que estejamos engajadas em alguma causa ou que nos mantenhamos como protótipos de boa dona de casa tradicional, vejo cada vez mais mulheres comentando a solidão a dois de seus relacionamentos, a falta de apoio por parte de seus companheiros, a falta de carinho de seus filhos, a sensação de não saber quem realmente é.
O pior de tudo, a meu ver, são os psicologismos aplicados à mulher, pronunciados por "entendedores da natureza feminina", como se alguém pudesse entender a natureza de outro ser, muito mais de uma mulher.
Já ouvi muitas coisas (besteiras na sua maioria) nos meus 54 anos: que as mulheres sofrem porque abusaram do poder há milênios atrás e que agora estão sendo punidas, que somos santificadas e por isso temos o dever de nos sacrificar por outros, etc,etc,etc...
Hoje morreu a mulher que era mantida refém de seu próprio ex-marido, um imbecilóide imaturo que acredita no "eu quero!quero!quero!", machão de quinta categoria que não sabe nem limpar as próprias cuecas. Morreu porque o imbecilóide "não aceitava a separação".
Quantas de nós vivemos algum tipo de solidão, para não ser vítima, física ou emocionalmente? E não digo que é uma mulher da classe A,B C ou D. Mulheres competentes, inteligentes, afetuosas, boas profissionais e mães também engrossas estas fileiras.
Acontece, a meu ver, que nós mulheres carregamos um danado dum chip dentro de nossas células, que quando resolve funcionar dispara a tal da culpa por tudo quanto é poro de nosso ser. A culpa do Canal da Mancha separar a Inglaterra da França, a culpa do filho ir mal na escola mesmo você ficando em cima na lição de casa, a culpa por existir.
Culpa por chorar, culpa por sentir culpa.
Aceitamos a chantagem de filhos pirracentos e temos dificuldade em dizer não.
Sem feminismos nem fanatismos, por favor.
O dia em que a mulher parar de sentir culpa por estar no mundo, também sentirá menos solidão. Pois finalmente verá que existem ao seu redor outras mulheres, que também abafam o seu choro para não parecer fraca ou mau exemplo.
Enquanto não conseguimos nos resolver, precisamos estar com outras mulheres que também queiram sair desta solidão.
Que minha amiga, que agora precisa de um abraço, o receba do fundo de meu coração.
Que ela saiba que todas nós choramos também, mas que queremos todas sorrir juntas.
E que o nosso choro seja também de alegria, tá?
Chorar só de tristeza não vale!

Um comentário:

Luciana F. Damiano disse...

Olá!
Obrigada pela sua visita.
Muito bacana seu texto.

bjs

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página