domingo, 13 de março de 2011

Sei não, mas não gosto disso!

Pode parecer "prático", "uma medida de segurança", "comum na Europa e nos EUA", mas eu não gostei do que vi no Shopping ontem. A mãe levava a filhinha a passear...presa a um peitoril como um poodle. O Shopping não estava lotado, a mãe não estava carregada de pacotes e ainda estava com o "macho reprodutor" ao seu lado, mas ambos não davam a mão para aquela criancinha.
Cadê o AFETO? Cadê o contato MÃO A MÃO que tanto os psicologistas (pessoas que lêem coisas nas revistas e sabem de tudo, mas não são profissionais) batem no peito.
Não é difícil dar a mão para uma criança e aquela era tão calminha (coitada!) que não merecia estar numa coleira. Até admito que existem alguns "monstrinhos" que deveriam ficar de fucinheira inclusive, para não morderem outras crianças (isso não é normal não, não adianta vir com essa!) e uns tapas bem dados na orelha dos pais por não darem limites ao seu filhote, mas "peitoril" numa criança que ainda está se desenvolvendo emocionalmente, ah!, sai prá lá!!
Acabou-se o contato, acabou-se a aproximação, acabou-se o carinho...
E eu fico triste por essa menininha, que vai ouvir a sua mãe e pai justificarem que é para o bem dela e que nós não temos nada com isso. Que ela tem todo o direito de destruir aquela criaturinha como bem entender, pois é sua filha, e ninguém tem nada com isso.
Por isso que estamos do jeito que estamos, insensíveis, consumistas, irregulares.
Acho que seria tão bom se essa garotinha pudesse receber a mão de sua mãe. Ela se sentiria aceita, amada. Assim, ela é uma criança de estimação...
Enfim, eu sou daquelas pessoas que acha que tocar e abraçar não é necessariamente um convite a fazer sexo, mas uma forma de transmitir carinho e afeição. Coisa fora de moda, eu sei...

3 comentários:

Duh Franzen disse...

Animalzinho de estimação? Em casa ela põe na coleira e prende ao pé de algum móvel?!! Estou sem palavras...!!

Msant00 disse...

Imagem chocante!

Ser vivo disse...

A cada geração, surgem novos filhos, novos pais, e vou te dizer... passa anos e os pais estão cada vez mais "achando" que estão fazendo um bem enorme aos filhos e criando uns imbecis para a sociedade.
Essa coleira de fato parece prática, mas como bem você disse, e o afeto?
A criança necessita muito do afeto para virar um ser humano bem desenvolvido em todas suas potencialidades.
Provavelmente os pais que usam essas coleiras em seus filhos são os da minha geração...(80 e poucos)
Pessoas que acham que precisam criar filhos fortes... como se para ser forte as crianças necessitassem de distanciamento.
Dai existem vários seres de final dos anos 80 e início dos 90 que são uns pobre de alma.
E essa criança que vai ter a mesma idade desses adolescentes de hj e jovens adultos, serão provavelmente jovens máquinas... só isso. Parece exagero... mas será que é?
Exagero ou não a questão da criação atual das crianças pela FAMÍLIA, tem de ser revista.
Para ser forte é preciso ser bom de cabeça, para ser realmente bom de cabeça... é necessário ter sido bem desenvolvido (e não é preciso ter dinheiro, nem posses para o mesmo), basta uma boa criação.

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página