segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Brincar de casinha enquanto se é criança, pois a infância dura pouco.

Eu começo esta postagem com um pequeno questionamento: por que deixamos as crianças pularem as etapas de desenvolvimento físico, psico-emocional e intelectual, seguindo as "orientações" de "pesquisas feitas em sei-lá-aonde", sem ao menos duvidarmos de sua validade?
A marcha da erotização infantil é descaradamente aberta em revistas, programas, músicas e até brinquedos.
Quantos de seus filhos/netos de 10 anos ainda brincam de casinha, ou de cidade, oficina, etc?
Por que meninas precisam seguir sem vivenciar o brincar puro e gostoso, que desenvolve tanto a imaginação ?
Dia das Crianças se aproximando e o comercio lambe os beiços!! São toneladas de Barbies,de bebês lourinhos que fazem cocô e recitam poemas, de laptops cor-de-rosa/roxo para as meninas e verde e preto para os meninos. Aliás, meninos têm que ter o boneco do Ben10, ou algo parecido. E voltando às meninas, não se esqueçam de dar brinquedos que já lhes mostre sua "função na vida", ou seja: lava-louças, fogãozinho, ou que as mostre bem dondocas (spa de bonecas, etc).
Bom, as minhas estão saindo da fase de pedir brinquedos, mas mesmo assim ainda gostam de brincar com sua casinha e arrumar e desarrumar à vontade, colocando os móveis de um jeito num dia, depois de outro jeito no outro. Trocam as bonecas, às vezes as pequenas, às vezes as grandes, mas elas as fazem ter movimento (sem animação computadorizada) e inventam vozes e histórias.
Eu tinha começado uma casinha de bonecas para a Helena há muito tempo, a qual ficou inacabada, esperando uma tinta, um capricho. Mesmo assim as meninas continuaram a brincar com ela.
Aproveitei o início da Primavera para renovar algumas coisas aqui em casa e uma delas foi a casinha de bonecas das meninas.




Retirei o papel de presente que havia colado nas paredes, para simular papel de parede: já estava enjoando. Passei massa corrida nas paredes de madeira, de maneira que ficou bem parecido com reboque antigo, e depois de lixados os excessos de massa pintei com tons pastel. Dica: a massa pode sair, então se quiser um acabamento mais duradouro misture um pouco de cola branca à massa, não muito (1 tubinho para 1/2 lata pequena de massa).
Uma das paredes é removível e pode ser encaixada em qualquer parte da casinha, formando um novo cômodo. Foi assim que fizemos o banheiro e a cozinha.
O piso pode ser simulado com o bom e velho Contact, no padrão que mais te agradar.
 As cortinas são feitas de retalhos, costurados de maneira a passar por um espeto de churrasco, com duas bolinhas de massinha de biscouit removíveis para facilitar a troca. O "varão da cortina" é encaixado em ganchinhos.
 Não é para parecer casinha de colecionador: é para brincar e aguentar o tranco!

Graças às boas lojas de artesanato que temos aqui perto, pudemos colocar alguns moveis que faltavam, misturando aos de Playmobil e outros que já eram usados.


 Colchões, almofadas, tapetinhos...as crianças mesmas podem fazer.
 O vasinho na mesa é a tampa de paste de dentes.
E que delícia  fazer os detalhes em biscuit?! Nós três aproveitamos o tempo fazendo panelinhas, pratinhos, comidas, utensílios, eletrodomésticos, pias e vasos sanitários, nos diversos tamanhos (afinal, temos como montar a casa para as diversas bonecas).


(Eca! Louça suja na pia!)
As crianças misturam brinquedos, usam um boneco de uma coleção junto com a peça de outra, isso porque ainda imaginam, criam, vivem os personagens. Então não é de se estranhar que a Betty Boop esteja sentada na mesa com a Pedrita, nem que haja uma TV de LCD junto a um violoncelo.

Devo dizer que apesar de tanta porcaria que jogam para os pequenos ainda temos um ou outro que encanta com sua magia. As casinhas de bichinhos da linha Silvana Family, que parecem contos de fadas.

E o que eu vou dar para elas no Dia das Crianças? Já estou dando: atenção, amor, carinho, respeito, parceria. E reformando os brinquedos de casinha, para elas poderem colocar os sentimentos para fora, de uma maneira saudável e agradável.
Ah! Está bom, vai: vai ter espaguete com almôndegas e bolo de chocolate, com 2 cm de cobertura de creme por cima.

Um comentário:

virginia costa disse...

Voce acredita que eu herdei duas casinhas? Estou enrolando para "mobiliar" pois tenho que dar uma restaurada antes. ja pintei uma delas e parei. Minha netinha esteve aqui e ja mostrou interesse, vou ter que tomar uma atitude logo!
A sua esta linda!
bjs
Virginia Costa

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página