terça-feira, 18 de outubro de 2011

A Culinária em "O Continente", de Erico Veríssimo

Eu resolvi reler a trilogia de Erico Veríssimo, O Tempo e o Vento, que conta a saga da formação do Rio Grande do Sul, desde 1745. Releio agora com um apetite de quem quer saborear cada pedacinho do romance, ver cada detalhe da História do Brasil que pouco se ensinava antes e que agora, pelo menos do Sudeste para cima, é desconhecida e ignorada pelas escolas.
Veríssimo narra as guerras ocorridas no Sul do País para se manterem as fronteiras e também as guerras civis, entre os legalistas (maragatos) e os farroupilhas (apelido dado aos que lutavam contra o governo da época, uma alusão aos sem camisa da Revolução Francesa e seus ideais iluministas). Narra a saga dos Terra e das mulheres Terra, com seu expoente Ana Terra.
(cena da telenovela "O Tempo e o Vento", de 1967, da TV Excelsior, com Eliseo de Albuquerque, Geórgia Gomide-Ana Terra-, Silvio Francisco e Davi José)

E em meio a tantos sentimentos despertados pelo "Continente", vou me deparando com os costumes daquelas gentes, de caráter rústico, carnívoro, reto e direto, aparecendo vez ou outra a sua culinária regional.
Na época de Ana Terra, de Bibiana e de Maria Valéria, as limitações locais impunham aos colonos descendentes de paulistas (descendentes de portugueses) dietas restritas a carne de charque, farinha de mandioca, abóbora, carne de caça, feijão preto. No decorrer do romance, com a influencia dos primeiros colonos alemães, começa a diversidade dos pratos e em vários capítulos são citados doces e bolos (cucas).
Há divergencia  entre os costumes dos "açorianos"(litorâneos) e dos "continentais"(interioranos e de fronteira), inclusive na culinária. O romance também deixa clara a diferença da mesa do colono, do mais pobre e do mais abastado.
Porém, o ponto de encontro de todos os gaúchos é o mesmo: o churrasco e o mate.
O clima do Sul influencia a agricultura e consequentemente os produtos e os preparos. Doces de pêssego, de marmelo, rapaduras, com leite, são constantemente mencionados.
Aqui, para que vocês também sejam mordidos pelo bichinho da curiosidade e venham a procurar ler (ou reler) esta importantíssima Obra de nossa Literatura, algumas referencias culinárias do "chef Erico Veríssimo":
Arroz de carreteiro feito com charque (carne de sol)
Arroz pastoso rosado (risoto)
Churrasco com farinha de mandioca
Guisado com abóbora
Guisado com batatas assadas
Fervido
Carne da caça
Carne de mulita
Galinha assada com batatas
Feijão preto
Feijoada com toucinho, linguiça e charque
Matambre ("mata a hambre", mata a fome)
Churrasco de costela
Canja de galinha
Sopas
Sopa de mocotó
Morcilha, linguiça, salsichas
Abóbora assada, batata doce assada, mongango
Mandioca frita
Mondongo com farinha
Mongango com leite
Batata doce com leite
Queijo
Quindim
Figada, pessegada, marmelada
Pessegada com queijo
Rapadura com queijo
Bolo de coalhada
Cucas
Apfelstrudell
Rosca de polvilho
Canjica com leite
Marmelo assado
Milho verde cozido ou assado
Temperos diversos: canela, cravo, noz moscada, cebola
Melancia, bergamota, pêssego
Chimarrão (o "amargo")
Café
Refrescos (limonadas, sucos de frutas)
Licores (principalmente de pêssego)
Cachaça, cachaça com mel e limão
Vinho da colonia
Chás para os diversos males (de flor de laranjeira, de erva de touro, de mastruço, de agrião)
"Entraram duas escravas com bandejas cheias de pratos. Bibiana os foi colocando um por um em cima da mesa. Havia uma travessa cheia de arroz pastoso, levemente rosado e muito luzidio; uma terrina de feijão preto; um prato de galinha assada com batatas; outro de guisadinho com abóbora e finalmente uma travessa de churrasco com farofa. Winter olhava admirado para aquilo tudo. Era simplesmente assustadora a quantidade de pratos que havia nas refeições das gentes remediadas ou ricas da Província. Nunca menos de seis, e às vezes até dez. Não raro numa refeição serviam-se quatro ou cinco variedades de carne, e nenhuma verdura. Por fim, como um pós-escrito a uma longa carta, Natália trouxe uma travessa com mandioca frita."
(O Continente II, "A Teiniaguá, pg 411).
(Erico Veríssimo)

Um comentário:

Glória Maria - Fadinha disse...

Boa noite Cybele, que leitura maravilhosa. Érico é o meu escritor brasileiro preferido. Vc me deixou com vontade de reler. Adorei suas observações sobre a culinária. Gosto muitíssimo do seu blog. Sempre que quero ver alguma receita venho aqui.
Fique bem. Bjs

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página