quarta-feira, 29 de abril de 2009


Aqueles nascidos na década de 50 ou 60 ainda se recordam das feiras livres em São Paulo e dos tipos de barracas que ali havia.

Como São Paulo é uma cidade onde temos convivendo vários Imigrantes (digo aquelas pessoas que vieram de OUTROS PAÍSES, deixando tudo seu para trás e sem possibilidade, muitas vezes, de voltar e sem direito a seguro desemprego, salário família, bolsa malandro e outras coisas politicamente incorretas), dificilmente não nos acostumaríamos a ter uma macarronada servida num dia, junto com um kibe ou um goulash.
Esta foto mostra a barraca de feira em que meu tio trabalhava, em Secos & Molhados, vendendo azeitonas, ameixas, ficos secos, salames, toucinhos, tudo o que era de mais fantástico em nossa cozinha. Meus avós trabalhavam numa outra, de macarrão. Pasme, senhores: barraca de macarrão!! Hoje eu só vejo isso no Mercadão Municipal de São Paulo, onde ainda se consegue comprar massas a granel e com grande variedade.
Estamos pasteurizados, ficando sem graça. Sumiram as variedades de produtos. Sumiram os bons feirantes (os que conheciam sua freguesas e as tratavam com educação), há grande desperdício de alimentos e todo mundo achando muito natural.

Que a feira traz seus transtornos, lá isso é verdade. Ninguém quer ter a barraca de peixe no seu portão, nem ficar esperando a feira terminar para poder colocar de volta o carro na garagem (se ficar, só sai depois da feira!). E hoje o que mais chama a atenção é a barraca do pastel, que por sinal é disputadíssima.

Seria ecologicamente correto resgatar as boas coisas de uma feira, uma feira mais organizada, num espaço reservado como nos países europeus. E com bons produtos, frescos, que pudéssemos escolher e pesar na hora. Onde se pudesse andar e encontrar amigos, ver cores, sentir aromas. Nossas crianças de cidade grande só conhecem supermercado, com tudo embalado e sem cheiro.
Se as feiras fizeram parte de nossa cultura, porque destruí-las? Vamos melhora-las.

Assim temos assunto para contar. Melhor que assistir reprise de Rede plim-plim, com paulistas falando com um sotaque esdrúxulo.
Salvem as barracas de macarrão!!




Nenhum comentário:

Marcadores

abobrinha acrílico açúcar mascavo Aeronáutica alcachofra Alemanha almôndegas Altamiro Carrilho Alzheimer amigos amora animações animais aniversário Ano Novo anos 60 antroposofia Aparecida aposentados arroz artes plásticas artesanato Áustria aveia avelãs azeite bacalhau bairro bananas barbante Barbara Fürstenhöfer batatas Bienal do Livro SP bifum bijuteria biscoitos biscouit bolinhas bolinhos bolos bombons boneca brinquedos Bruce Buche de Noel café capas casinha de bonecas casinhas de papelão castanhas catupiry CD cenoura cerâmica chantily charges cheesecake chocolate chorinho chuchu chuvas de verão cidade cinema clima Clube da Aeronáutica (RJ) coalhada coco cogumelos colar comida caseira compotas condomínio confeitaria confeitos contos de fadas coragem coral corrida de São Silvestre costura cotidiano cremes CRFA crianças cristãos crochê crônica culinaria culinária culinária. livros cultura Cunha cupuaçu damascos decoração Dengue desenhos dia de reis dicas doces docinhos documentos educação empadas Encontro QFO enfeites entrada ervas escultura FAB familia família farinha farinha integral feltro festas fitas flores fonoaudiologia forno foto fotos antigas framboesa frango frituras frutas frutas cristalizadas frutas secas frutos do mar Fundação Casper Líbero ganache gatos gelados gelatina geléia genealogia glacê real golpes grãos gratinado gratinados groselha guaraná guirlanda Helena Sangirardi História histórias idéias para festas idoso imaginação imigrantes imitação. inspiração intercâmbios interior inverno iogurte Japão Jesus Julia Child lanches laranja latex legumes leite lembrancinha liquidificador livros Lua Azul lula macarrão macarrão. cogumelo maçãs mães maisena marshmallow massa biscuit massa folhada massas massas salgados melão mexerica mexilhão miçangas militares mirtilo mocidade moda modelagem molhos Mômo morango mousse mulheres mulheres militares mundo música nata natal natureza nostalgia nozes Olgas Olimpíadas do Rio2016 orgânicos orquideas outono ovos paçoquinha paella pães palmito pão pão de mel pão-de-ló papelão Páscoa passas passatempos passeios pasta americana pastel pastelão pavê pedrarias peixes Pentecostes pesquisa pets Pinacoteca pintura pinturas pirulito pizza polvo pôr-do-sol Portugal Praça Benedito Calixto pratos etnicos presentes primavera professor professores profissionalismo psicologia pudim QFO queijo radio recheios reciclagem reclamação reflexões debaixo do pé de couve refogados reformas reserva resina restauração. retalhos retro ricota Rio de Janeiro rocambole rocamboles rosas roubo sacolinhas saladas salgados salmão salsinha São Paulo sapateira sashimi Sebastian seriados sites sobremesas soja sopa instantânea sorvetes spam stollen strudell suco artificial suflê sujeira supermercado suspiro tâmaras tapete tapioca tecidos terremotos torta tortas trânsito trigo TV uvas vapor vegetais vestido viagem vida na caserna vila inglesa vintage virus vizinhança vôngole voz Waldorf wassabi

Total de visualizações de página